sábado, 25 de abril de 2015

AÇAÍ, O BRASIL PRODUZINDO SAÚDE




O Surpreendente AÇAI aparece para aliviar a aterosclerose:

Mais uma das tantas dádivas da Mãe Natureza/Deus para os brasileiros.

O suco de AÇAI pode proporcionar benefícios anti-inflamatórios que oferecem proteção contra o endurecimento das artérias (aterosclerose), de acordo com uma nova pesquisa nos EUA.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

O Surpreendente AÇAI aparece para aliviar a aterosclerose e tem outros benefícios:

Fonte: http://www.swansonvitamins.com/



O estudo, publicado na revista ’’Aterosclerose’’, apresenta evidências que sugerem que o efeito de proteção contra aterosclerose do suco de açaí é, em parte devido à degenerescência dos lipídios (peroxidação lipídica), que pode ser devido ao aumento dos níveis e atividade das enzimas antioxidantes.

A pesquisa também suporta a possibilidade que o suco de açaí pode exercer efeito protetor contra o desenvolvimento da aterosclerose, inibindo os compostos pró-inflamatórios chamadas citoquinas, através da regulação de mediadores inflamatórios.

“Nós fornecemos a evidência experimental direta de que uma dieta contendo um suco de açaí na dose de 5% (cinco por cento) desenvolveram MENOS lesões ateroscleróticas significativamente”, disseram os pesquisadores, liderados pelo Dr. Wu Xianli da Universidade de Arkansas para ciências médicas.



Os autores do estudo disseram que a pesquisa “fornece os primeiros indícios relatando que o suco de açaí protege contra a arteriosclerose“, acrescentando que “os resultados indicam claramente que o suco de açaí reduz a peroxidação lipídica significativamente.”

“Reduzir a peroxidação lipídica através do aumento das enzimas antioxidantes e inibindo produção de citocinas pró-inflamatórios são propostos como os principais mecanismos de proteção para os efeitos atero do suco de açaí testados nessas experimentação de modelos “in vivo”, explicam os cientistas.

O Dr. Wu e seus colegas explicaram que a doença cardiovascular é a principal causa de morte, não só nos Estados Unidos “, mas também na maioria dos países industrializados.” Eles acrescentaram, “tem sido reconhecido que uma dieta rica em frutas e vegetais pode ter efeitos benéficos em doenças cardiovasculares, em grande parte atribuída às suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias”.

No entanto, os pesquisadores notaram que a evidência experimental ’’in vivo’’ para apoiar o consumo de frutas e produtos hortícolas específicos na redução do risco de doenças cardiovasculares com base em mecanismos plausíveis “continua a ser escasso.”

O novo estudo investigou os efeitos atero-protetor do suco de açaí em um tipo de roedor. Marcadores de estresse oxidativo foram encontrados para serem significativamente mais baixos no soro e no fígado de animais alimentados com suco de açaí.


AÇAI: Fonte de trabalho, abundância, riqueza e SAÚDE.

Resultados da análise de 17 genes relacionados às enzimas de oxidação / antioxidante também mostraram que a expressão dos dois genes de enzimas antioxidantes, glutationa peroxidase (GPx) e glutationa redutase (GSR), consideradas como enzimas antioxidante importante no sistema vascular estavam significativamente mais regulamentadas na aorta de ratos alimentados com suco de açaí.

As atividades do GSR no soro e no fígado e GPX no soro também foram relatados para aumentar em ratos alimentados com suco de açaí,. “Portanto, estas duas enzimas antioxidantes podem agir sinergicamente para reduzir a peroxidação lipídica,” o Dr.Wu e seus colegas de trabalho sugeriram. Séricos da enzima antioxidante PON1 (com o HDL e envolvido na prevenção da peroxidação lipídica LDL) também foi encontrado para ser elevado em ratos alimentados com suco de açaí. Em outros experimentos, os ratos alimentados com suco de açaí por cinco semanas foram relatados para terem níveis significativamente menores de citocinas pró-inflamatórias IL-6 e TNF-a.


A pesquisa descobriu a possibilidade que o suco de açaí pode exercer efeito protetor contra o desenvolvimento da aterosclerose, inibindo os compostos pró-inflamatórios chamadas citoquinas, através da regulação de mediadores inflamatórios.

“Não só o suco de açaí reduziu os níveis basais dessas duas citocinas pró-inflamatórias, como também aumentou a resistência de secreção destas duas citocinas por macrófagos em resposta a estímulos inflamatórios como o LPS”, disseram os autores dessa pesquisa.

Os autores da pesquisa são Doutores de Nutrição do USDA Arkansas Children’s Center, do Departamento de Fisiologia e Biofísica, do Departamento de Imunologia na Universidade de Arkansas para Ciências Médicas e da Vida AIBMR Ciência, Inc.

-Aterosclerose; Publicado Online antes da impressão.

Permitida a reprodução desde que respeite a formatação e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

segunda-feira, 20 de abril de 2015

A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA A NOSSA SAÚDE:




As ações do homem no planeta vêm se mostrando como bastante prejudiciais para o meio em que vivemos, mas também para a própria preservação da espécie humana. Como reflexo dessa situação, muitos brasileiros vivenciam hoje a triste experiência da falta de água que tem atingido os principais centros urbanos do país, devido à combinação de fatores climáticos e descaso dos governos em relação a distribuição desse bem tão importante. Pensando nessas questões, este artigo serve de alerta para que lembremos do quanto a água é fundamental para a vida humana.
Água: Fundamental Para a Vida Humana

A água cumpre um papel de vital importância na existência humana. Todos nós sabemos que sem ela não podemos existir, mas nem sempre conhecemos como ela atua em nosso organismo. A água participa de todos os processos metabólicos do organismo humano e serve de base para que ocorram diversas reações orgânicas fundamentais. Processos como a digestão, a absorção de nutrientes, a circulação sanguínea e a excreção só são possíveis devido à presença de água. Além disso, esse líquido é responsável por manter a temperatura do corpo dentro dos limites ideais, bem como pela manutenção e funcionamento de todos os órgãos do corpo humano.

Água
Entendendo Melhor a Importância da Água

Todo o nosso corpo é formando por células que funcionam como minúsculos “tijolos”. Em nosso organismo, a água é distribuída de dois modos diferentes: na composição dos líquidos intracelulares, ou seja, na parte interna de cada uma das células; e nos líquidos extracelulares, como o plasma, a linfa e as secreções, que são externos às células. No interior das células, a água serve como meio para que as reações bioquímicos possam acontecer, tornando possível os processos metabólicos essenciais para a vida humana. Assim, quando há pouca água dentro das células essas reações podem não ocorrer corretamente, o que prejudica várias funções corpóreas. Já nos líquidos extracelulares, a água tem a função de unir as células, agindo com a argamassa entre os tijolos. Ela também participa do processo de nutrição das células, levando os nutrientes necessários para que ocorram os processos orgânicos já mencionados.
Quantidade de Água no Organismo

Cerca de 70% do nosso corpo é composto por água, mas essa porcentagem varia bastante conforme as condições individuais de cada pessoa. Com o passar dos anos, a água total presente no corpo tende a diminuir consideravelmente. Em pessoas adultas a porcentagem fica entre 60% e 65%; já nas crianças, o percentual médio é de 80%; e nos idosos, algo entre 40% a 50% do peso é composto por água. Essa variação também ocorre, por exemplo, entre atletas, que possuem maior concentração de água no organismo, e não atletas. Essa variação é explicada porque os músculos são formados por células mais aquosas, assim como as vísceras. Os ossos, por sua vez, tem baica concentração de água. De todo modo, podemos observar que mesmo nos idosos o percentual de água é bem elevado, justificando a relevância dela para o nosso organismo.
Eliminação e Reposição de Água

Agora que conhecemos mais sobre a importância da água para o organismo, é preciso entender o sistema de perda e reposição do líquido. O organismo elimina cerca de 2300ml de água todos os dias. Essa eliminação é feita por diferentes formas: pele e respiração (700ml); suor (100ml); fezes (100ml) e urina (1400ml). Essas quantidades, no entanto, podem variar bastante. Em dias mais quentes, por exemplo, a perda de líquido com o suor pode chegar a 1400ml. Um atleta que realiza uma atividade prolongada com a temperatura mais alta perde até 5000ml de água. A perda também pode ser bem alta em pessoas com diarreia, pois a eliminação de água pelas fezes se torna maior. Por isso, o mais importante é sempre repor a água perdida em quantidade proporcional à perda. Se a ingestão de água é insuficiente, o organismo passa a agir de modo diferente para preservar a hidratação. Isso pode sobrecarregar o rim, além de interferir diretamente em todos os processos que comentamos antes.

Em casos extremos, a desidratação pode levar à morte, revelando, mais uma vez, o papel fundamental da água. Para que você tenha uma ideia do impacto da falta de água no corpo humano, uma redução de 4% a 5% na quantidade de água presente no organismo pode diminuir a capacidade de trabalho dos órgãos em até 30%. Se a perda de água for de 20%, o resultado pode ser fatal. O organismo pode se manter durante vários dias sem alimentação, mas não sem água. A atenção em relação à perda de líquidos deve ser redobrada em idosos, crianças e pessoas obesas, pois elas tendem a eliminar água mais rapidamente e podem ser vítimas da desidratação de forma agravada. Para que você possa entender como é feita a reposição de água diariamente, é preciso compreender quais são as fontes do líquido existentes na natureza.

Beber Água
Fontes de Água Para o Corpo Humano

Não é só bebendo água que podemos hidratar o organismo, ainda que essa seja a fonte mais importante de hidratação. O corpo lida com 3 fontes principais para absorção de água: os líquidos ingeridos diariamente (água, chás, sucos e etc.); a água contida no interior dos alimentos; e a água que decorre da oxidação metabólica. Essas fontes estão listadas em ordem de importância, porém os alimentos têm conteúdo hídrico bastante variável. As carnes, por exemplo, possuem de 50% a 75% de água e alguns vegetais pode atingir até 95% de água em sua composição. De um modo geral, a alimentação diária é responsável pela ingestão de 1 litro de água. A partir do processo de oxidação, esses alimentos proporcional um quantidade adicional de líquido de mais ou menos 300 ml por dia. Assim, para que possamos suprir toda a necessidade de hidratação, a melhor maneira é complementar essas duas fontes com água e bebidas saudáveis.

A reposição diária de água deve seguir o volume de perda. Assim, em dias mais quentes ou quando você pratica alguma atividade física a ingestão de líquidos deve ser maior. Veja a recomendação:
Para adultos – 2500ml de água por dia ou 35ml para cada quilo de peso;
Para crianças – 55ml para cada quilo de peso;
Para bebês – 150ml para cada quilo de peso.

O ideal é fazer o cálculo para chegar às quantidades adequadas. Se você costuma se esquecer de tomar água, a dica é deixar uma garrafinha sempre por perto e nunca esperar a sede chegar para beber líquidos.

sábado, 18 de abril de 2015

COMO PREPARAR O TSAMPA: ALIMENTO DO FUTURO, ALIMENTO QUE DURA 7 ANOS LIVRE DE FUNGOS OU BACTÉRIAS



Cândida aos Vigilantes da Luz

Receita de TSAMPA: em caso de escassez.

Alimento (uma bolinha) que substitui uma refeição.

No caso de que os alimentos em determinado momento escasseiem, em casos de conflitos ou de severas mudanças terrestres que poderão acontecer...

Seria importante que, as pessoas saibam como elaborar este alimento, pois uma só bolinha já elaborada do mesmo substitui uma refeição, claro junto com líquido suficiente.

Nota importante para que enfatizes

NÃO É PERMITIDO VENDÊ-LO ...

É para que se formem grupos nas comunidades e o preparem em cada casa e o tenham guardado hermeticamente, pois pode durar até sete anos, livre de fungos e bactérias.

Elaboração do TSAMPA:

Os ingredientes necessários para a confecção do TSAMPA são 9:
Feijão vermelho

Grão de bico

Lentilha Milho seco

Amendoim natural

Mel puro

Banana verde

Soja em grão

Trigo seco
A quantidade é determinada pelo número de pessoas que farão parte na preparação e posterior repartição do TSAMPA. Em nosso grupo, composto por 15 integrantes, se tomou como medida básica 5 quilos. Foram feitas perto de 1.700 (bolinhas) de SAMPA e em sua repartição ficou mais de cem bolinhas para cada um.

É importante que se respeite a proporção de “1 por 1” entre todos os grãos. Quer dizer que se se estabelecer como medida básica 1 quilo, deverá ser 1 quilo de feijão, 1 de grão de bico e assim sucessivamente para todos os componentes. Se se toma como medida básica 3 quilo s, deverão ser 3 quilos de feijão, 3 quilos de grão de bico, 3 quilos de lentilhas e assim para todos os ingredientes.

Nota sobre a Banana verde:

Para obter 1 quilo útil de banana têm que se descascar 5 quilos de banana verde, portanto, se por exemplo se se estabelece como medida básica 5 quilos, tem que descascar 5 x 5 = 25 quilos de banana verde para se conseguir a quantidade necessária; logo se corta em tiras para poder tostar antes de moê-la.

Nota sobre o Mel:

Em geral o mel é utilizado na proporção de “1 por 3”, quer dizer, se estabelece como medida básica 1 quilo, a quantidade de mel necessária para amassar o TSAMPA é de três quilos; se se estabelece uma medida básica de 5 quilos a quantidade necessária é de 15 (5 x 3 = 15) quilos de mel puro.

Entretanto, no momento da preparação do TSAMPA o sentido comum sugerirá a quantidade exata do mel a utilizar, já que as bolinhas não devem ficar nem muito secas, que poderiam desmanchar-se em seguida, nem muito molhadas, já que demorariam muito tempo para secar ou poderiam deformar ou achatar no momento de serem armazenadas.

PREPARAÇÃO TOSTADO:

Todos os ingredientes serão tostados em separado, já que cada um tem seu grau de tostagem específico.

A banana uma vez cortada em tiras pode ser seca ao sol, se é que tem a possibilidade de fazê-lo. Se não, simplesmente se pode tostá-la num forno para logo moê-la.

Moinho de Tsampa

MOAGEM:

Se moem os ingredientes separadamente já que cada um tem seu grau de dureza específico (o milho é o mais duro de moer) utilizando um moinho manual tipo corona.(NÃO UTILIZAR MOINHO ELÉTRICO). Recomenda-se não utilizar moinhos elétricos de nenhum tipo já que ao utilizar estes artefatos se estaria privando aos ingredientes do corpo elétrico ou corpo energético, que também os vegetais possuem e que neles constitui em definitivo o elemento nutritivo principal para nós, os humanos.

MISTURA:

Quando tiver todos os grãos e a banana moída, juntam-se todas as farinhas, dependendo da quantidade em um,dois ou mais recipientes não de metal e sim de plástico, tomando o cuidado de fazer uma mescla o mais uniforme possível.

MISTURA COM MEL:

Quando as farinhas estiverem bem misturadas, coloca-se gradualmente o mel.Vai amassando manualmente toda a mistura até obter a consistência desejada, procurando não deixar pequenas bolinhas de farinha sem mel.

BOLINHAS:

Quando estiver toda a massa pronta, bem misturada, nem muito seca e nem muito molhada, fazem-se manualmente pequenas bolinhas do tamanho aproximado de uma bola de golfe ou pingue- pongue.

SECAGEM:

Quando terminar de fazer as bolinhas, deixar secar num local adequado e possivelmente à sombra, tomando cuidado de cobri-las com um pano ou tela que impeça que os insetos, sobretudo as moscas, possam colocar ali seus ovinhos, estragando assim um trabalho de muitos esforços. Uma boa secagem se obtém quando as bolinhas de SAMPA tenham uma consistência não muito dura e apresentem certo grau de maleabilidade sem serem demasiadas pegajosas.

CONSERVAÇÃO:

Uma vez obtido uma boa secagem se passa para a conservação.

Recomenda-se armazenar as bolinhas de TSAMPA em recipientes de vidro possivelmente de boca larga que, além de assegurar uma boa conservação natural, permitem um acesso fácil na hora de pegá-las, entretanto também pode utilizar-se um recipiente de plástico... Ambos os tipos de recipientes devem ficar fechados hermeticamente para que não haja aceleração no processo de deteriorização das bolinhas ao serem expostas ao ar.

Um TSAMPA bem preparado,que teve uma boa secagem, longe de mosquitos e de insetos e que tenha sido bem armazenado, chega a conservar-se perfeitamente comestível por um tempo de não menos de quatro anos e isto já foi comprovado por vários de nossos amigos.

CONSUMO:

O TSAMPA é um alimento altamente energético. O consumo de uma bolinha de TSAMPA é o equivalente a uma das três refeições que normalmente consumimos num dia, portanto com a ingestão diária de três bolinhas de TSAMPA não se necessita consumir nenhum outro alimento, já que só elas fornecem ao organismo a energia necessária e suficiente para seu desenvolvimento funcional durante o dia. Em tempos “difíceis”, o TSAMPA preparado e armazenado com antecipação pode ser a única tábua de salvação frente à escassez de alimento ou diante da impossibilidade de consumir o que se consiga ao redor devido a sua contaminação, seja química, biológica ou nuclear.

Observações

A experiência acumulada nas anteriores preparações do TSAMPA, nos impulsiona a formular as seguintes sugestões: Se o TSAMPA vai ser preparado por um determinado número de pessoas, se aconselha, para diminuir os tempos e facilitar a preparação, repartir entre os componentes do grupo a compra dos ingredientes e a tostagem dos mesmos que poderá ser efetuada, esta última, permanecendo cada um em sua respectiva casa.

No dia estabelecido quando tiver todos os ingredientes já prontos, poderão reunir -se em um local escolhido aonde se termina primeiro a moagem dos ingredientes, logo a mistura das farinhas, depois a mescla com o mel e finalmente a confecção das bolinhas de SAMPA. Quando estiverem já prontas as bolinhas, é recomendável que da secagem,contagem e repartição se encarregue uma só pessoa que goze da plena confiança de todos os componentes do grupo.

Recomenda-se em primeira instância, que todas as crianças (filhos, sobrinhos, netos ou simples amiguinhos dos componentes do grupo) sejam sempre bem-vindas em todas as fases da elaboração do TSAMPA, em especial no momento de moer os grãos, atividade que lhes fascina.

Recomenda-se enfim que todas as pessoas que participam da repartição final das bolinhas estejam presentes e participem diretamente em todas e cada uma das fases da preparação das mesmas, em especial na fase da mistura do mel, já que durante este processo, se estará transmitindo a energia de todos e cada um dos componentes do grupo.

Desta forma a energização do TSAMPA será muito maior e maiores serão os benefícios no momento de consumi-lo. Cada jardim tem seus mistérios, que só a mão paciente do jardineiro é capaz de decifrar. Por isto prefere concentrar-se no sol, na chuva, nas estações. Não nas opiniões e dizeres dos demais.

Ter sempre presente que a parte mais importante de ti é teu ser interior, tua alma, tua mente, teu espírito, e tudo aquilo que está dentro de ti. Sem estas partes invisíveis, teu ser físico não poderia existir.

Assim como cuida de teu corpo também cuida de tua alma..

Assim como alimentas teu corpo, também alimenta teu espírito.

Compartilhar. Cultura é Paz

Por Cândida aos Vigilantes da Luz

Solange Christtine Ventura
http://www.curaeascensao.com.br

segunda-feira, 30 de março de 2015

RECEITA PARA TIRAR MARCAS DE ESPINHA


Depois que as espinhas somem, é muito comum que fiquem marcas na pele, principalmente se a inflamação for mais grave. As marcas e cicatrizes podem desaparecer com o tempo ou se manter por vários anos. Para tratar esse problema, a receita indicada abaixo é bastante eficaz. O bicarbonato remove as células mortas e limpa a pele, enquanto o azeite ajuda na cicatrização e hidrata as células da derme. A dica é usá-la depois que o processo de inflamação já tenha melhorado, para não agravar as erupções. Siga as instruções para uma pele sem marcas!


Evite “espremer” as espinhas para prevenir as marcas
Você vai precisar de:
1 colher (sobremesa) de bicarbonato de sódio
2 colheres (sobremesa) de água mineral
2 colheres (sobremesa) de azeite de oliva extravirgem
Modo de Preparo

Para um bom resultado da receite, é muito importante que a água usada seja mineral e que o azeite seja extravirgem e com baixa acidez. Antes de aplicar os ingredientes, é necessário misturar a água mineral e o bicarbonato de sódio até que ele comece a borbulhar. O azeite não será usado nessa mistura, mas sim separadamente.
Como usar

Use uma bola de algodão para aplicar, primeiramente, a mistura de bicarbonato e água. Esfregue o algodão por todo o rosto, principalmente nas áreas que possuem mais marcas deixadas pelas espinhas. O pó do bicarbonato irá promover uma esfoliação leve, além de limpar a pele profundamente. Em seguida, enxágue o rosto com água e seque bem. Com outra bola de algodão, aplique pequenas porções de azeite diretamente sobre as marcas da pele. Deixe o óleo agir por pelo menos 20 minutos. Depois lave com água e sabão para remover a oleosidade.
Precauções

Evite usar essa receita quando as espinhas estiverem inflamadas, ou seja, quando estiverem vermelhas e com pontos de pus. Nesses casos, é preciso esperar que elas sequem para que a solução possa ter um resultado eficaz.

FONTE: RECEITA NATURAL

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

AÇÃO NEURO PROTETORA DO ÓLEO DE COPAÍBA NO AVC:


(ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL) É DUAS VEZES MAIS POTENTE QUE A MINOCICLINA


É a primeira vez no mundo que se verifica efeitos do óleo de copaíba como neuroprotetor e sobre o sistema vascular!

O óleo de copaíba ganha mais uma função no tratamento de doenças. Agora, uma pesquisa inédita revela que a copaíba, nativa da região amazônica, pode ajudar também no tratamento de acidente vascular cerebral (AVC), conhecido popularmente como derrame. A copaíba tem seu óleo consagrado na medicina popular no tratamento de gripes, tosses, bronquites, inflamação da garganta e artrite. Diversos componentes também apresentam atividade farmacológica cientificamente comprovada, como o beta-cariofileno, que atua como anti-inflamatório e protetor da mucosa gástrica, solucionando problemas de azia, úlcera e gastrite. Desta vez, uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapespa), do Governo do Estado, aponta que a planta pode ajudar a tratar o AVC.

E não apenas isso, a resina da copaíba é duas vezes mais potente que a minociclina, um dos anti-inflamatórios mais usados no tratamento da doença. O processo com a copaíba, executado em nível de mestrado em neurociência e biologia celular, pelo biólogo da Universidade Federal do Pará (UFPA) Adriano Guimarães, por enquanto é testado apenas em ratos e ainda carece de testes toxicológicos para averiguar se as substâncias não afetam também a formação de novos neurônios. Porém, um dos principais resultados já pôde ser comprovado: a potência do óleo de resina da copaíba também em tratamentos cerebrais. Para esta conclusão, o cientista injetou no cérebro do rato pequenas doses de um produto químico que causa vasoconstrição, um processo de contração dos vasos sanguíneos, que na prática simula um coágulo que ocorre no processo normal de isquemia, comum em quem sofre um AVC. Para evitar a proliferação dos neutrófilos e macrófilos - células de defesa do corpo que eliminam as células doentes antes que estas se recuperem - foram injetadas altas doses de óleo de resina da copaíba no abdômen do rato.


O trabalho no Laboratório de Neuroproteção e Regeneração da UFPA levou dois anos e um investimento de mais de R$ 30 mil pelo Governo do Estado. Os resultados foram surpreendentes: nas primeiras 24 horas de monitoramento do rato, houve uma inibição de 33% dos neutrófilos, que agem mais rapidamente. Em 72 horas, houve a redução de 64% da lesão dos macrófilos. "Isto é mais do que o dobro da inibição observada na droga experimental mais utilizada atualmente, que é a minociclina. Como a copaíba tem propriedades anti-inflamatórias, já esperávamos uma redução das lesões, mas não neste nível. É muito mais potente", afirma o autor da tese "Efeitos neuroprotetores e neurogênicos de extratos de plantas da Amazônia brasileira em um modelo experimental de acidente vascular encefálico", financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (Fapespa).

Outra vantagem da copaíba em relação a anti-inflamatórios existentes no mercado é que, ao invés de ter a eficácia prevalecendo apenas em homens, a copaíba é uma planta que apresenta resultados positivos também em mulheres.


LACUNAS

Adriano Guimarães explicou que a manipulação da resposta imune do sistema nervoso central é muito mais complexa do que em outras partes do corpo. Por isso, apesar deste tema ser muito estudado pela ciência, ainda existem muitas lacunas a serem respondidas. "Seria uma alternativa a mais para o tratamento. Com a copaíba, conseguimos inibir a chegada de parte das células ao sistema nervoso central por mecanismos que ainda não conseguimos desvendar. Mas já temos um projeto pronto para mapear as possíveis vias farmacológicas pelas quais o óleo da copaíba atua no organismo. Foi o primeiro passo, talvez um dos mais importantes, porque é a primeira vez no mundo que se está investigando os efeitos da copaíba no sistema nervoso", afirma.

O pesquisador acredita que em mais alguns anos a ciência possa chegar a este resultado. Nesta nova fase, explica o cientista, também se fará a separação dos componentes da planta (para descobrir os principais responsáveis por este resultado); se avaliarão os efeitos colaterais; e a diminuição da dosagem da copaíba. Inicialmente, foram aplicadas 400 mg/kg. Agora, a ideia é diminuir esta dosagem para descobrir qual o percentual ideal de aplicação, sem que haja perdas da eficácia.

O pesquisador alerta que nem toda árvore produz o óleo eficaz no tratamento de inflamações. Por existirem várias espécies de copaíba, os elementos químicos da resina extraída podem variar conforme a região e o solo no qual a árvore é plantada. "Muitos dos óleos de copaíba que encontramos no mercado também já passaram por outras mistura, por isso, não adianta comprar e achar que vai melhorar. É preciso entender como ela atua no cérebro e chegar à fórmula precisa", afirmou.

Em longo prazo, o que se espera do trabalho é que os pacientes de AVC possam ter uma alternativa de tratamento, feita a partir de produtos da Amazônia, em um período mais curto e com menos danos colaterais. "A copaíba é uma gota no oceano quando se fala da riqueza da biodiversidade amazônica e do quanto ainda temos a descobrir.”

Extração de copaíba na Amazônia 


Casos de Acidente Vascular Cerebral matam 30% da população brasileira


De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima-se que mais de 5 milhões de pessoas morram a cada ano por causa de acidentes cardiovasculares. E o acidente vascular cerebral (AVC) é responsável por 30% dos óbitos registrados no Brasil. O estudo mostra que ainda que os pacientes que sobreviveram a um AVC têm grandes chances de conviver com sequelas. Cerca de 30% necessitam de auxílio para caminhar e 20% ficam com problemas de cognição, aprendizado, atenção, julgamento e memória.

A doença é causada pelo entupimento de uma artéria cerebral por um coágulo, que impede que o sangue chegue adequadamente a regiões importantes do cérebro, causando lesão celular e danos nas funções neurológicas.

Dentre os sintomas, pode-se constatar a diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um mesmo lado do corpo; alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo; perda súbita de visão em um olho, eventualmente nos dois olhos; alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular e expressar ou para compreender a linguagem; dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente; e a instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos.

Sinais que já deixaram, por duas vezes, a família do bancário aposentado Ewerton Castro, 72 anos, sobressaltada. O primeiro derrame, como também é conhecida a doença, ocorreu durante o expediente de trabalho. "Fiquei muito assustado, comecei a sentir uma fraqueza nos braços e de repente não vi mais nada. Pensei que fosse morrer", afirmou Castro, que conseguiu sobreviver ao problema sem apresentar maiores danos.

Porém o mesmo feito não se repetiu na reincidência, ocorrida no final do ano passado. Apesar de manter intacta a lucidez e a fala, hoje Ewerton já não consegue andar. "Sei que talvez não esteja vivo até que a ciência descubra um jeito de reverter isso, mas fico feliz de saber que talvez outras pessoas possam ter esta chance", disse o aposentado.


Óleo já é muito valorizado no mundo todo pelas propriedades medicinais


As copaibeiras são árvores nativas da região tropical da América Latina e da África Ocidental. No Brasil é encontrada principalmente na região Amazônica e no Centro-Oeste. O óleo de copaíba é basicamente uma resina coletada do tronco da copaibeira. Através de incisões, se extrai a resina, e a partir dela se produz o óleo, um líquido transparente, viscoso e fluido, de sabor amargo, com cor entre amarelo até marrom claro dourado. O uso mais comum é o medicinal, empregado como anti-inflamatório e até mesmo anticancerígeno.

Pelas propriedades químicas e medicinais, o óleo de copaíba é bastante procurado nos mercados regional, nacional e internacional, já despertando o interesse, inclusive, da indústria cosmética.Porém, a história remete que antes mesmo de o Brasil ser colonizado, este potencial era utilizado pelos animais e índios. Os índios começaram a usar o poder cicatrizante da copaíba ao perceber que os animais esfregavam seus corpos no tronco da árvore quando estavam feridos.

Depois disso, os índios da Amazônia utilizavam o óleo para untar o corpo depois dos combates para curar as feridas. Os colonos descobriram outras aplicações, utilizando-o como antisséptico das vias urinárias e respiratórias, particularmente bronquites. E, anos mais tarde, a planta também passou a ser alvo de estudos da ciência.


TEXTO:


PESQUISA ORIGINAL (MONOGRAFIA):


OUTROS SITES COM INFORMAÇÕES:




COPAÍBA FOI 2 X MAIS POTENTE QUE A MONOCICLINA COMO NEUROPROTETORA: Dose diária de Minociclina reduz risco de AVC e lesões em diabéticos. Usada em tratamento para derrame, a droga pode reduzir a remodelação dos vasos sanguíneos no cérebro

BENEFÍCIOS DO COLÁGENO E QUAL MELHOR FORMA DE CONSUMI-LO:


Colágeno ajuda a pele a ficar mais resistente e elástica
Ele também mantém as unhas, ossos, dentes e cabelos saudáveis




Dra. Tamara Mazaracki NUTRÓLOGO - CRM 52301716/RJ



Aproximadamente um terço da proteína de nosso corpo é colágeno. Ele tem uma função estrutural, protege outros tecidos menos resistentes e permite a sua conexão com o esqueleto ósseo. Colágeno é uma proteína composta por 3.000 aminoácidos dispostos em três correntes moleculares entrelaçadas, formando uma espécie de hélice tripla flexível e robusta. O colágeno tem inúmeros atributos: deixa a pele resistente e elástica, reforça tendões e ligamentos que unem os músculos aos ossos, sustenta os órgãos internos. Ossos e dentes são feitos pela adição de minerais à matriz de colágeno, e 75% da pele é colágeno.
Tipos de colágeno

Mais de 20 tipos de colágeno são encontrados no corpo, de acordo com um artigo publicado na revista científica Advanced Drug Delivery Reviews. A estrutura e a função do colágeno são determinadas pela sequência dos aminoácidos. Em alguns tecidos, como órgãos, o colágeno pode ter a forma de um gel. Em outros, como os tendões, o colágeno vem como fibras apertadas para fornecer a resistência.
Fonte de colágeno

Colágeno é um produto de origem animal, e é basicamente extraído da pele, cartilagens e tendões de aves, suínos e bovinos. Há um processo de agregação de água ao colágeno animal, chamado de hidrólise, obtendo-se assim o colágeno hidrolisado, um pó branco.

Colágeno comestível

O colágeno hidrolisado é composto por 90% de proteína, 2% de sais minerais, e 8% de água. O colágeno é classificado como uma proteína comestível e seus principais aminoácidos são prolina e lisina, responsáveis pela síntese de colágeno endógeno com a ajuda de alguns cofatores, citados abaixo. Ele é isento de gordura, colesterol e carboidratos. É uma proteína de fácil digestão e assimilação devido ao processo de hidrólise, e tem inúmeras indicações tanto na área de saúde como nos cuidados com a beleza da pele, cabelos e unhas.
O corpo produz colágeno

Existem nutrientes que ajudam o corpo a sintetizar e a preservar o colágeno por diversos caminhos metabólicos, agindo como cofatores. Para isso é preciso consumir alimentos ricos em lisina, ômega-3, vitamina A, enxofre, licopeno e vitamina C. A lisina está presente em laticínios, carnes, aves, peixes e frutos do mar, ovos, lentilha, tofu, quinoa e semente de abóbora. Pescados fornecem o ômega-3, que reduz a degradação de colágeno, e neste grupo também entram chia, linhaça, nozes, castanhas e abacate. Fontes de enxofre incluem alho, cebola, azeitonas, couve-de-bruxelas, ovos, pepino e aipo. A vitamina A trabalha em conjunto com o enxofre para produzir novas fibras de colágeno e elastina, e está presente em frutas e vegetais de cor verde, vermelha, laranja e amarela, como cenoura, batata doce, melão, manga, etc. O licopeno inibe a colagenase, uma enzima que destrói o colágeno, e se concentra no tomate, melancia, goiaba, acerola, pimentão vermelho e beterraba. Para finalizar, não pode faltar vitamina C, que se junta à lisina e prolina para formar os blocos de colágeno no corpo, abundante em frutas cítricas, vegetais folhosos de cor verde escura, pimenta vermelha, pimentão, goiaba, acerola, açaí, kiwi.
Vegetarianos, lisina e colágeno

Como o colágeno está presente em produtos de origem animal, os vegetarianos precisam ser bem cuidadosos na hora de montar o prato para não ter deficiência desta proteína essencial à saúde. Os precursores de colágeno citados acima não podem faltar, e a maior dificuldade reside na obtenção de lisina, pois a prolina é sintetizada pelo corpo a partir de outros aminoácidos. Os ovolactovegetarianos não têm problema para obter lisina, pois ovos e laticínios são excelentes fontes do aminoácido. Para os veganos as opções são o seitan (bife de glúten de trigo), proteína de soja (leite, tofu e carne de soja), ervilha, lentilha, feijões, levedo de cerveja, oleaginosas, manteiga de amendoim. Neste caso é importante consultar um especialista para saber a quantidade indicada de cada alimento para obter níveis adequados de lisina.
Suplemento alimentar

Por ser uma proteína de fácil digestão e assimilação, o colágeno é um suplemento alimentar com inúmeras indicações na área de saúde. Com o passar dos anos ocorre uma redução gradual de colágeno nos tecidos corporais, e ele também sofre em qualidade, tornando-se menos elástico e hidratado. O colágeno suplementar é usado para prevenir a degradação do colágeno corporal, ajudando assim a manter pele, tendões, ossos e ligamentos mais saudáveis.
Benefícios do colágeno

Ele atua no fortalecimento de unhas frágeis e promove maior resistência, espessura, crescimento e brilho aos cabelos. A pele adquire mais tônus, hidratação, e pode haver uma redução da flacidez cutânea. O colágeno hidrolisado desempenha um papel importante na prevenção e no tratamento de dores articulares, artrose e osteoporose, e tem sido utilizado para minimizar a ocorrência de lesões na terceira idade, pois mantém o tecido articular mais hidratado e elástico. Ele também é utilizado para prevenir lesões em atletas. Diversos estudos realizados na Europa e Estados Unidos atestam estes benefícios.
Como consumir

A dose recomendada é de dez a vinte gramas diárias (1 a 2 colheres de sopa) de colágeno hidrolisado diluído em meio copo de suco, leite ou iogurte. Prefira o colágeno em pó puro, sem a adição de corante e adoçante. Uma forma muito prática é a apresentação em balas tipo goma, contendo colágeno associado ao óleo de coco, assim se obtém um benefício duplo. Os primeiros efeitos se fazem notar após dois a três meses de consumo diário. O colágeno hidrolisado é um alimento e não há nenhuma restrição ou contraindicação, nem limite de tempo para o seu uso.